A Estatística ao Longo da História

As guerras são capazes de mudar o cenário dos países envolvidos, e mais, o plano de vida de muitos cidadãos. Para Claus Mober, não foi diferente. Um judeu, nascido em Berlim em 1922, que fugiu para a Grã-Bretanha em 1936, aos 13 anos. Depois de alguns anos lá, o Primeiro-Ministro da época por medo de haver espiões entre os refugiados decidiu mandá-los para um campo de internamento em Huyton 

Os judeus se desenvolveram neste campo de internamento, abriram café, fizeram concertos. Lá ele teve a oportunidade de conhecer o diretor de um escritório de estatística e se tornar seu assistente. Meses depois foi liberado do campo, por ser muito novo, e se formou em Estatística na London School of Economics. Por ter feito a graduação em excelência e ter um alemão fluente, ele conseguiu trabalho em um grupo ultrassecreto que visitou os locais de bombardeio da Força Aérea Real para descobrir se os relatórios dos pilotos sobre os danos causados correspondiam à realidade. Anos depois entre 1967 a 1978, foi chefe do serviço estatístico do governo britânico. 

Claus Moser que tinha um sonho de ser pianista, planejava estudar comércio e administrar hotéis, se tornou estatístico por ter sido colocado na prisão. E ele é apenas um dos que jamais se tornariam estatísticos se não fosse pela guerra.

Referência:

http://www.economist.com/news/christmas-specials/21636589-how-statisticians-changed-war-and-war-changed-statistics-they-also-served

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da conversa?
Sinta-se a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *